Bem-Estar

Saiba como proteger os fios após tintura e descoloração

Mudar o visual é uma das armas que muitas pessoas utilizam para dar um up na autoestima e os cabelos são um dos principais alvos desta mudança. Porém, alguns procedimentos, como a tintura e a descoloração, são responsáveis por um dano químico nos fios.

“Quando a paciente pinta o cabelo, há uma perda proteica causada pela oxidação de aminoácidos no fio. Essa diminuição dos níveis de queratina leva a uma redução da força capilar, além da remoção de pigmentos naturais”, explica a dermatologista Dra. Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia.

“Nos processos de coloração permanentes e semipermanentes, ocorre a abertura das escamas da fibra capilar pela ação de amônia e monoetanolamina. Quimicamente, o processo de tintura provoca a quebra das pontes de hidrogênio e salinas. Isso vai resultar na perda de água e acentuar o comprometimento da resistência, maciez e brilho dos fios”, comenta a dermatologista.

A médica explica, no entanto, que o processo de descoloração é ainda mais agressivo. “A descoloração capilar com uso de persulfatos (sódio, amônio e potássio) destrói totalmente as ligações de hidrogênio, grande parte das ligações salinas e parcialmente as ligações cisteínicas, resultando em um cabelo extremamente desidratado e fraco. Em processos de descoloração, o tempo e a concentração em volume da água oxigenada são fundamentais para determinar o nível de descoloração e a agressão aos fios de cabelo: quanto maior, pior o dano”, alerta.

Já Mika Yamaguchi, farmacêutica e diretora científica da Biotec Dermocosméticos, explica que, mesmo com os cabelos hidratados e cuidados, a tintura capilar tende a trazer alguns problemas aos usuários.

“O ressecamento do cabelo é um dos principais pontos, pois a tinta altera as propriedades da queratina, que é um protetor natural dos fios. Além disso, segundo estudos, é prejudicial ao couro cabeludo deixar a tintura agir por mais tempo do que o prescrito; fazer misturas caseiras e utilizar itens não indicados pelo fabricante durante o preparo também são erros que podem causar irritação ao couro cabeludo, alteração de brilho e má penteabilidade (os fios embaraçam facilmente), deixando os cabelos fragilizados”, explica a especialista. “É necessário saber a hora de parar, porque depois de certo tempo, a cutícula do cabelo já está saturada e de nada adiantará manter o produto na cabeça, pois causará apenas irritação do couro cabeludo e possivelmente provocará a queda capilar”.

Existem no mercado muitas marcas e tipos de cores para tingir os cabelos. A grande maioria delas possui tecnologia para preservar ao máximo a integridade da queratina, por isso, é importante investir em produtos conceituados, seguir rigorosamente as instruções de aplicação e, de preferência, procurar um profissional. De acordo com a especialista, uma vez que o cabelo sofre o dano químico, alguns ativos podem ajudar no processo de reparação. Ela explica melhor os principais ingredientes que devem constar na composição de um produto reparador pós-tintura ou descoloração:

– Hydra.Sil: é um grande aliado por proteger a hidratação interna dos fios, pois ajuda a preservar as pontes de hidrogênio atacadas durante os processos químicos. “Tem alto potencial nutritivo, fornecendo também nutrientes essenciais para melhorar a força e a resistência dos fios”, afirma Mika.

– ReparAge: sistema composto por uma matriz Amino-Estrutural responsável pelo exclusivo efeito Pro.Filler (aumento do diâmetro do fio envelhecido e reparação dos danos internos). Resulta em cabelos fortes, blindados e renovados.

– Bioex Cereais: complexo de proteínas de origem vegetal, rico em polissacarídeos de alto e baixo peso. “Possui efeito restaurador e protetor, conferindo maciez, brilho, condicionamento e textura agradável aos cabelos”, enfatiza.

– Tamariliz: é um polissacarídeo do Tamarindus exclusivamente desenvolvido para tratar os cabelos, da raiz até as pontas, protege os cabelos das agressões externas, melhora a hidratação dos fios e aumenta a coesão do fio que ajudam a conferir força e brilho intenso aos cabelos.

– Arct-Alg: alternativa natural ao minoxidil, Arct-Alg é uma biomassa marinha padronizada extraída do Mar Ártico que aumenta a produção de óxido nítrico (NO), com melhora da circulação local e dos microcapilares aumentando a troca de nutrientes. Assim, promove o crescimento e fortalecimento capilar em cabelos enfraquecidos.

– Capillisil C: ativo biotecnológico com alta concentração de Silício Orgânico, o que confere uma ação efetiva na epiderme, derme e nos fios capilares. Atua no bulbo capilar e queratinocitos, reduzindo a queda e aumentando a densidade capilar, além de possuir ação anti-inflamatória e antiqueda.

– Bioex Capilar: complexo vegetal enriquecido indicado no tratamento capilar, como auxiliar na prevenção da queda excessiva de fios e na restauração do bulbo piloso. Deve ser utilizado preferencialmente na forma de tônico, aplicado sobre o couro cabeludo.

– LipoNutrium Hair: complexo de óleos vegetais que possui alto poder de penetração na fibra, elevada afinidade e interação com as estruturas capilares lipídicas internas e externas, garantindo cuidado multinível dos fios danificados e ressecados.

Mika lembra também que, quando o fio está muito danificado e sem mais massa proteica, por sofrer muitos processos químicos repetidos e uso de produtos que ficam mais tempo no cabelo do que o necessário, um dermatologista ou tricologista pode ser consultado para trabalhar a melhor forma de reconstrução. ”

Nesse caso, é necessário intervir no córtex do fio aumentando o ganho de massa proteica. Novas tecnologias foram desenvolvidas e muitas vezes é necessário associar o tratamento tópico com o oral, com o consagrado Exsynutriment, um silício solúvel estabilizado em colágeno que atua diretamente no couro cabeludo alimentando a raiz do cabelo e fornecendo o micronutriente silício que é fundamental para saúde do cabelo”, explica.

Outra opção é investir também nas cápsulas de Bio-Arct, Biotina e Glycoxil, pois todos ajudarão no aporte de nutrientes ao couro cabeludo. “Consulte sempre um dermatologista para orientá-lo melhor em relação a concentração de uso e também a associação com outros nutrientes que o cabelo esteja necessitando”, finaliza a especialista.

Gostou Compartilhe