Bem-Estar

Descubra os principais agressores da sua pele e como se proteger deles

Com a proximidade do verão, é necessário saber como proteger a pele do envelhecimento precoce, mas o filtro solar não é o único produto que deve ser usado. Vários cremes ou cápsulas, com moléculas inovadoras, também devem ser usadas a fim de manter a integridade da pele e atuar contra os principais agressores ambientais, explica a farmacêutica Mika Yamaguchi, diretora científica da Biotec Dermocosméticos e especialista em dermo e nutricosméticos. Juntamente com a dermatologista Dra. Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, a expert explica os principais danos causados por esses agressores e como proteger a pele deles:

RAIOS UVA e UVB
Danos: A radiação Ultravioleta A é a principal responsável pelo envelhecimento precoce (manchas e rugas). Esse tipo de radiação atravessa nuvens, vidro e epiderme, é indolor e penetra na pele em grande profundidade, até às células da derme — sendo o principal produtor de radicais livres. “Os raios UVA afetam a pele o ano todo, independente da estação. Esse tipo de radiação não é bloqueado totalmente com protetor solar e traz prejuízos, desde lesões mais simples até, em casos mais graves, câncer de pele”, explica a dermatologista Dra. Claudia Marçal.

Com relação à radiação ultravioleta B, que deixa a pele vermelha e queimada, danificando a epiderme, ela é mais abundante entre às 10 da manhã e às 4 da tarde. “Seu grau de proteção é medido pelo FPS e é uma radiação que pode furar o bloqueio dos filtros químicos e aumentar o risco de cancerização”, comenta a dermatologista.

Melhor forma de prevenção e proteção: Não existe melhor forma de proteção que o protetor solar, que deve ter filtros químicos e físicos, FPS de no mínimo 30 e ser reaplicado a cada duas horas em exposição direta. “Além disso, o uso de chapéus e roupas com FPS, além de evitar a exposição direta, é recomendado”, afirma a dermatologista. A fórmula, segundo a farmacêutica, pode contar com ativos antioxidantes como OTZ 10, Coffee Skin, SuperOx C e Arct Alg e anti-inflamatórios como Lipex Canola UB para potencializar a ação de reparo imediato da pele.

RAIO INFRARED OU CALOR
Danos: Infrared (infravermelho ou IV) é sentido através do calor ou mormaço. “É uma radiação que acomete num comprimento de onda suficiente para atingir a derme mais profunda — a derme reticular — onde estão as fibras de ancoragem e sustentação da pele. E isso provoca um dano muito importante, com menor elasticidade e uma piora no aspecto geral com a destruição do arquétipo da pele. Além de um maior potencial de cancerização”.

Melhor forma de prevenção e proteção: A dermatologista explica que, para evitar a flacidez e rugas, é importante o uso do bloqueio físico solar e antioxidantes que diminuam o processo inflamatório causado pelo Infrared, como OTZ 10. “Nesse caso, as cápsulas antioxidantes também podem ajudar, principalmente com os ingredientes Exsynutriment (que vai estimular o colágeno e evitar a flacidez), Bio-Arct (ação antioxidante e melhora da energia celular) e FC Oral (com grande potencial anti-inflamatório)”, explica Mika Yamaguchi.

LUZ VISÍVEL
Danos: Mesmo não sendo um conceito novo, é necessário pontuar, de acordo com a especialista Mika Yamaguchi, que a luz visível continua sendo um perigo. Faz parte desse conceito: a luz do sol, dos smartphones, das lâmpadas artificiais, dos computadores, enfim, toda a luz vista a olho nu. “Presente na nossa rotina diária, ela é capaz de promover a médio e longo prazos um quadro de eritema mesmo que subcutâneo, mas já suficiente para gerar a presença das sunburn cells”, explica a dermatologista. A médica ilustra que a luz visível atua no estímulo da melanogênese, resultando em manchas.

Melhor forma de prevenção e proteção: “As pessoas que têm tendência ao melasma não podem só pensar em ter um fotoprotetor com UVA e UVB. Tem que ter algum tipo de ativo que combata a ação danosa do Infrared e luz visível. São ativos tirados de extratos vegetais que têm ação anti-inflamatória e bloqueadores como dióxido de titânio”, acrescenta a dermatologista. Mika Yamaguchi afirma que uma novidade nesse sentido é Pro-Shield, um sucrapeptídeo vegetal, extraído do café verde, 100% natural que age contra a poluição digital de dispositivos eletrônicos que emitem radiação azul, que compreende uma faixa do espectro que causa danos à pele e ao cabelo. O ativo pode ser usado em associação ao OTZ 10, que também atua contra os danos desse tipo de luz.

POLUIÇÃO
Danos: De acordo com a Dra. Claudia Marçal, a poluição libera metais tóxicos (pesados) tais como mercúrio e chumbo, entre outros, que promovem intoxicação no organismo e a formação de radicais livres que resultam em envelhecimento precoce, ou seja, aparecimento de flacidez, linhas de expressão, graças à destruição do colágeno. Os elevados índices de poluição nas grandes cidades colaboram para que poluentes se alojem na pele causando uma cascata de danos que culmina, invariavelmente, no envelhecimento precoce e o surgimento de rugas e flacidez facial.

Um dos poluentes mais agressivos nesse sentido é o PM 2.5 — material particulado de 2,5 micrômetros, 100 vezes menor que um fio de cabelo, com fortes agentes que se depositam na pele, causando danos à barreira cutânea, formação de radicais livres e envelhecimento celular. Também temos o micropoluente PM10, mas o mais importante é o PM 2.5. O micropoluente é proveniente de diversas fontes, inclusive dos combustíveis, fumaças, indústrias, queimadas e até das próprias frituras feitas em casa. Ele gera a produção de radicais livres de carbono, de nitrogênio e de oxigênio.

Melhor forma de prevenção e proteção: Os antioxidantes e antipoluentes são ativos mais indicados, segundo Mika. Além da Vitamina C, Alistin e SuperOx C, o Exo-P é uma novidade antipoluição, que tem a capacidade de proteger a pele, formando um escudo e diminuindo a adesão da poluição e do material particulado PM 2.5, além de “sequestrar” metais pesados e proteger a pele dos danos causados pelos raios UVB. “As cápsulas com Bio-Arct são recomendadas, pois a ação antioxidante de dentro para fora vai ajudar a neutralizar esses radicais livres”, afirma a especialista.

VENTO, AREIA, CLORO E ÁGUA DO MAR
Danos: O que todos eles têm em comum? Eles ressecam a pele! “Eles retiram a barreira cutânea da camada superficial, seus lipídeos, além de estimular a evaporação da água. Nós temos uma maior perda transepidérmica e uma maior dificuldade de fazer retenção da molécula da água por conta justamente do vento que agride o tecido cutâneo. Então, tanto um quanto outro, assim como a água do mar por conta do iodo e sal, o cloro da piscina, são todos fatores externos ambientais que acabam ressecando a nossa pele, porque acabam agredindo, alterando o manto hidrolipídico”, afirma a Dra Claudia.

Melhor forma de prevenção e proteção: “Por isso que é muito importante depois da exposição solar, usarmos sabonetes neutros, de pH fisiológico em torno de 5.5, e logo nos primeiros cinco minutos usarmos hidratantes ricos em ácido hialurônico Hyaxel, aveia coloidal, Vitamina E, nutriomega 3, 6, 7 e 9, Progenitrix, substâncias à base de óleos, como o óleo de damasco, a framboesa, o óleo de maracujá, manteigas como karité, a própria ureia, o ácido lático, o silício, enfim, fazendo a recomposição de tudo aquilo que entra na constituição dessa barreira e fazendo com que ela volte a ficar íntegra”, afirma a médica. “A cápsula de FC Oral, além de ter efeito anti-inflamatório, também promove a hidratação de dentro para fora, então é indicada para atuar contra esses agressores também”, finaliza Mika.

Gostou Compartilhe