Bem-Estar

Como prevenir o Alzheimer

Publicidade

O benefício da longevidade traz consigo, muitas vezes, o medo de enfrentar desordens cognitivas, de perdermos a saúde cerebral. A doença de Alzheimer é uma das formas de demência cerebral mais comuns e que ainda carece ser mais estudada pela ciência. Algumas dicas, porém, podem ajudar a prevenir declínios cognitivos responsáveis por contribuir com o desenvolvimento desse mal.

1- Durma bem! A qualidade do sono é fundamental para o bom funcionamento das funções e processos metabólicos do cérebro. É durante o sono que ocorre a depuração de toxinas que chegam aos neurônios, ou seja, é durante a fase mais profunda do sono (sono REM) que a mágica da faxina cerebral acontece. Para alcançar essa profundidade, precisamos de sono com a duração adequada.

2- Aprenda continuamente! O processo de aprendizado é algo incrível! Você precisa criar novas conexões entre neurônios, ou seja, novas sinapses. Enquanto você está tentando realizar uma tarefa nova, seja um idioma novo, um instrumento musical, uma leitura que te traga um novo vocabulário, uma função nova no trabalho ou uma nova habilidade motora, seus neurônios estão buscando se coordenar, em uma nova rede, e isso aprimora sua plasticidade cerebral.

3- Faça exercícios! A ciência já comprovou que a atividade física favorece a melhor vascularização do cérebro, contribuindo com um melhor metabolismo no local, o que beneficia as funções neuronais.

4- Não deseje “apagar” suas dores. Resolva-as! Aqui vale uma observação, nada científica, puramente filosófica: se partirmos da premissa de que o tempo nos torna especialistas no que praticamos com frequência, se vamos apagando coisas que nos machucaram ao longo da vida ao invés de resolvê-las, será que o cérebro, tão magnífico quanto é, não acaba aprendendo o mecanismo de “deletar arquivos” e acaba apagando coisas, indiscriminadamente? Não deixe, então, de resolvê-las!

Gostou Compartilhe
Publicidade